MAGAZINESUSI

domingo, 22 de setembro de 2019

Com empréstimos sem garantia, fintechs concedem R$ 1,2 bilhão em crédito


https://itmidia.com - Um dos setores que mais se beneficiou com o surgimento de startups, o mercado de fintechs ainda está longe de alcançar as somas bilionárias do mercado financeiro, mas já alcança resultados expressivos em serviços que não são priorizados por instituições tradicionais. A constatação é uma das presentes no estudo "A nova fronteira do crédito no Brasil - Pesquisa Fintechs de Crédito 2019", produzido pela PwC em parceria com a Associação Brasileira de Crédito Digital (ABCD).
O documento, construído com base em informações de 43 líderes de organizações da área entre junho e julho deste ano, apresenta dados como os serviços mais demandados pelos clientes, e perfil da base de usuários, além de dados relacionados à operação das próprias empresas.
Clientes: quem são e o que desejam.
De acordo com a pesquisa, o público-alvo dessas empresas já possuem conta corrente em alguma instituição, mas utilizam poucos produtos e não têm acesso a crédito. O estudo aponta que 79% dos usuários dessas plataformas estão nas classes C, D e E e possuem entre 26 e 47 anos. Para pessoas jurídicas, 72% são de microempreendedores ou empresas com até 49 funcionários.
A procura das pessoas pelos serviços oferecidos por estas empresas cresceu de forma significativa nos últimos anos: no total, as marcas consultadas receberam 6,4 milhões de pedidos de crédito de pessoas físicas em 2018, praticamente o dobro do ano anterior, que foi de 3,2 milhões. Para pessoas jurídicas, o número de solicitações foi de 276.355 – um aumento de 6,5 vezes no mesmo período de 2017, de 42.273.
Também se registrou um crescimento na quantidade de crédito concedido. Em 2017, R$ 804 milhões foram utilizados. Já no ano passado, o montante reuniu R$ 1,195 bilhão.
Perfil das fintechs.
Dentro da amostra pesquisada, 70% das companhias estão baseadas em São Paulo, sendo que 79% têm até 5 anos de vida e 86% contam com no máximo 150 funcionários. Das 43 firmas analisadas, 74% estão em busca de recursos. Sendo que, desse total, 79% buscam uma soma acima de R$ 10 milhões para aumentar a carteira de crédito.
Entre os serviços oferecidos pelas companhias analisadas, a modalidade de crédito ou empréstimo sem garantias é oferecida por 42% das fintechs que atendem pessoas físicas. O segundo serviço mais oferecido é o crédito direto ao consumidor, presente no portfólio de 19% das empresas.
Desafios para o futuro.
A prioridade de 86% das companhias analisadas está em garantir uma aprovação de crédito mais rápida e menor burocrática, capaz de melhorar a experiência do cliente. Atualmente, 48% das empresas pesquisadas conseguem concluir as análises de risco de um cliente em até uma hora e a aprovação para liberação de crédito, que é um processo mais burocrático, leva até 24 horas dentro da rotina de 64% dos participantes.
A velocidade do processo é obtida pelo uso de tecnologias como machine learning e análise de dados, que otimizam o processo de tomada de decisão. Para o futuro, as empresas respondentes pretendem dominar habilidades nos setores de inteligência artificial, blockchain e biometria/gestão de identidade.
O estudo completo pode ser acessado nesse link.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog